Frases

4 de dez de 2012

A Tirania da Maioria


Falar em liberdade numa sociedade democrática como a nossa deveria ser algo como "chover no molhado", uma vez que as escolhas e leis são baseadas no "poder do povo". Numa democracia as pessoas devem ser livres para ir e vir, desde que respeitem os direitos dos outros. Embora seja uma explicação simplista, essa é a ideia.

Estudando Ciência Política no curso de História, me deparei com a teoria de Stuart Mill e Alexis de Tocqueville sobre a "Tirania da Maioria". Mill afirma que "a tirania da maioria é tão odiosa quanto a da minoria" e que a sociedade democrática deveria estar sempre em guarda para que ela não ocorresse. Para Tocqueville a democracia estaria sempre associada ao processo igualitário, onde a diversidade cultural somada à liberdade dos indivíduos com o passar do tempo poderia acarretar numa massificação da cultura, criando uma sociedade de massa, permitindo que se realizasse uma tirania da maioria. 

O temor de Tocqueville era de que a cultura igualitária de uma maioria destruísse as possibilidades de manifestação de minorias ou mesmo de indivíduos diferenciados. O desenvolvimento, portanto, de uma sociedade onde hábitos, valores, etc., fossem de tal forma definidos por uma maioria que quaisquer atividades ou manifestação de ideias que escapassem ao que a massa da população acreditasse ser a normalidade, seriam impedidas de se realizar¹. Em suma, por "Tirania da Maioria" entende-se como o momento onde uma maioria obriga uma minoria a seguir os seus ideais culturais, ideológicos ou religiosos.

Recentemente os evangélicos de nosso país se manifestaram contra a remoção da frase "Deus seja louvado" das cédulas de Real. A "maioria" dos evangélicos é contra a retirada da frase que foi inserida no dinheiro. Ao que tudo indica, a vontade da "maioria" irá prevalecer. Há alguns anos atrás as eleições presidenciais foram decididas pelo voto religioso, que receberam em suas igrejas candidatos que prometiam não legalizar o aborto. E novamente a "maioria" religiosa fez sua vontade ser realizada. Nesse ínterim uma parte dos evangélicos se mobilizou na tentativa de impedir a aprovação da PLC 122/2006, relativa aos direitos homoafetivos, por meio de passeatas em Brasília e através de seus programas de televisão. Por hora, a "maioria" tem vencido a queda de braço.

Me parece que os evangélicos de hoje desconhecem sua própria história recente. Saberiam estes que demonizam a Maçonaria que sem a ajuda dela, não teríamos culto evangélico no Brasil? Que só foi possível a abertura de igrejas evangélicas porque vivemos num Estado laico? Ou ainda, que um dia os evangélicos foram em menor número do que as pessoas seguidoras das religiões afro que, por sua vez, hoje são perseguidos pelos de "maioria"?

Quando o Gondim disse "Deus nos livre de um Brasil evangélico" muitos criticaram sua frase e relativo desgosto com o movimento religioso que mais cresce no país. O "Brasil evangélico" ao qual ele se refere, eu também tenho repulsa. O seguimento religioso que muito se assemelha ao modelo norte-americano de evangelicalismo é danoso a qualquer tipo de Fé. A Fé da televisão, dos grandes shows, das grandes feiras, dos afamados líderes milionários destoando dos mais necessitados que moram nas marquises dos templos suntuosos é lamentável. Mas a "maioria" aplaude de pé.

Na palestina do primeiro século o movimento de Jesus não experimentou o status - moderno - de maioria. Em seus dias, a tirania era da minoria que detinha o poder. Como parte da maioria numérica, Jesus incentivou o serviço ás pessoas e tratou com dignidade os excluídos da sociedade que não tinham força política para terem seus direitos respeitados. Andou com prostitutas, bebeu com ladrões, orava com iletrados, carregou crianças no colo, comia com cobradores de impostos e não tinha medo de ser visto com qualquer tipo de gente "contaminada" - as doenças eram entendidas como punição divina pelo pecado. Nunca obrigou ninguém a sequer segui-lo. Apenas convidava.

Quando os meios de comunicação e mercado se preparam para receber o cada vez maior número de evangélicos que impõe sua Fé e cultura sobre os demais, temo, pois, antevejo o dia em que realmente serão maioria numérica e a "Tirania da Maioria" sobre as minorias seja cada vez mais presente. Essa "tirania" já pode ser sentida. Já se pode sentir seu fétido odor nas câmaras municipais, estaduais e federais. Pensando no que disse o Gondim, faço coro a meu modo: Que Deus nos livre da Maioria que impede as expressões culturais, ideológicas e religiosas das minorias.

¹ - QUIRINO, C. G. Tocqueville: sobre a liberdade e a igualdade. In: WEFFORT, F. Os clássicos da política. Vol.2. São Paulo: Ática, 2006. p155.

2 comentários:

  1. Não concordo,


    pois "tirania da maioria"tem sido pretexto comum de um movimento ideológico anti-cristão.

    Estado laico é uma coisa, Estado laicista é outra.

    ResponderExcluir
  2. Vc anda empolgado com essas bobagens que ensinam nos cursos de História...


    Stuart Mill ????

    Se vc conseguir harmonizar na tua cabeça o Utilitarismo Inglês com Materialismo Histórico vai seguir por um intelectualismo pedante. (e contraditório). Indisfarsável!!!

    Academicismo horrível!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...