Frases

16 de jun de 2011

Coisas que no Fim teremos respostas


Congrego em uma igreja que tem por costume ofertar na vida de pregadores convidados e creio que seja um costume das igrejas brasileiras. Minha posição em relação a isso é contrária: se alguém "vive" do pastoreio, deve ter uma igreja que cuide de seus custos. Agora, se tratando de pregadores itinerantes, deveriam receber no máximo ajuda de custo para chegar até a igreja. É a minha posição e não precisa ser a sua.

Deixando de lado o que penso, começo a refletir sobre essa prática na Igreja de Cristo em nossos dias. Vivemos em dias os quais qualquer um (qualquer um mesmo!) é denominado "pregador da Palavra". Basta decorar uma dezena de jargões, incansavelmente já repetidos por algum pregador "famoso", ter uma Bíblia e um paletó, que não precisa combinar com a calça. Não importa sequer se você já leu a Bíblia toda. Menos ainda se você vai ler a mesma durante a sua jornada. Não precisa passar por um seminário. Vejo nos púlpitos pessoas despreparadas ensinando um "outro evangelho" (Gálatas 1:8). Homens que querem conquistar o coração de seus ouvintes pelo seu carisma, pelas acaloradas palestras onde o grito é livre ou ainda pela habilidade de contar histórias. Paulo bem avisou a Timóteo sobre isso (2 Tm 4). Um bom exemplo do que estou falando é o Jadson (Moshe, Moshe erés codó). Basta ter o tal de "joelho"...
"Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis." 2 Coríntios 11:4
Agora pensemos em um músico, o também chamado levita. Para tocar na igreja ele precisa aprender a tocar seu instrumento. Não pode simplesmente ter vontade e coragem para subir na plataforma para tocar. Tem que freqüentar aulas. Mas ainda não é o suficiente: precisa comprar o instrumento. Geralmente as igrejas possuem alguns instrumentos, mas um músico nunca conseguirá aprender, se tocar apenas na hora dos ensaios e do culto; ele precisa praticar. E ao contrário da Bíblia os instrumentos musicais são caros. Alguns, muito caros. Depois de comprar um instrumento e aprender ele vai tocar e não recebe nada por isso. Não há, no geral uma prática de sustentar os levitas de profissão nas igrejas. Com isso, muitos fazem freelance em bandas não-cristãs.

Existem ainda os irmãos que gostam de música mas não sabem tocar e tentam quebrar galhos, aprendendo e tocando por não haverem levitas na congregação (lembrem-se: eles estão tentando sustentar suas famílias tocando "na noite"). Estes são criticados pelas pessoas da igreja. Já vi gente fazendo chacotas quando um bem-intencionado irmão "Severino" erra uma nota, tempo musical ou a letra da canção. No entanto, o mesmo não acontece quando um pregador despreparado sobe ao púlpito. São ovacionados, mesmo ensinando coisas que não estão na Bíblia. As multidões entram em histeria-santa quando eles erguem a voz dizendo palavras desconexas. E não são criticadas, afinal de contas são "ungidos do Senhor". O levita não...

Muitas idéias surgem na minha cabeças na tentativa de chegar o motivos de sermos assim. Acabo ficando com as perguntas que embora eu saiba as respostas, prefiro fingir que não as tenha. Isso acontece por que ouvimos mais músicas gospel do que lemos a Bíblia? Será que o que dizemos a Deus (música) é mais importante do que Deus tem a nos dizer (Bíblia)? Por que as pessoas cobram que um levita tenha que praticar para exercer sua função e o pregador não? Será que podemos suportar alguém nos alimentar com lixo espiritual mas não conseguimos suportar o zumbido de uma nota errada? Será que estamos tão acostumados a pagar as pessoas que nos enganam, como políticos por exemplo, que não nos importamos em pagar falastrões? Será que realmente estamos entendendo o que é dito nos púlpitos?

3 comentários:

  1. Boa reflexão... Vc trata de questões não faladas mesmo... Mas só uma pergunta: quando vc fala de músicos como levitas, vc fala acreditando que todo músico e cantor é levita?
    Atenciosamente,
    Douglas Carias
    Recife-PE

    ResponderExcluir
  2. Douglas, a resposta é sim e não.
    Vou começar pelo "não". Não, porque os até então "levitas" que vejo cantando e tocando não levam a vida que o levita bíblico deveria ter. Acredito que a grande maioria não vive para o cuidado do templo devido a condição que foram impostos pelo pensamento comum de que eles não precisam ser sustentados financeiramente para exercer esta função.

    Sim, porque todo aquele que exerce uma função no templo é tido como um levita: o diácono que recebe os irmãos á porta; a irmã que de boa vontade faz o pão da ceia; o irmão que limpa a igreja antes do culto; e muitos outros.

    Por exemplo, eu não creio que um "cantor" que vende milhões em CD's e DVD's seja um legítimo levita. Ele canta na igreja. Mas não é levita. O que quero dizer que uma enorme fatia desses cantores e músicos estão fora da igreja exercendo a profissão de Músico devido o não-auxílio das congregações evangélicas. Há ainda os aproveitadores, por exemplo a banda Catedral que afirmou ter usado o meio Gospel para fazer fama. Exerceram a função, mas nunca foram verdadeiros levitas. Do mesmo modo que eu não sou cozinheiro, mas me aventuro na cozinha algumas vezes. =)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...